Entre as Belas-Artes e as artes de tatuar: novos itinerários de inserção profissional de jovens tatuadores em Portugal

Vitor Sérgio Ferreira

Resumo


Se a tatuagem começou por ser profissionalmente dispensada por malandros tipicamente oriundos de meios operários e populares, ou por indivíduos provenientes de meios subculturais sem qualquer tipo de socialização artística, hoje em dia cada vez mais esta atividade é procurada por jovens detentores de trajetórias de formação artística na área das artes visuais. A entrada destes novos protagonistas resultou numa profunda mudança social no mundo da tatuagem.  As competências decorrentes das suas tradicionais formas de aprendizagem mesclaram-se com outras provenientes desses outros mundos das artes visuais, activando um intenso processo de criativização da prática de tatuar, por via da integração de novos processos, técnicas, metodologias, valores e exigências de trabalho. Neste processo, a velha figura do tatuador-artesão vê-se progressivamente substituída pela nova figura do tatuador-artista, e o velho ofício de periferia vai-se elevando à condição de arte periférica.

 


Palavras-chave


tatuagem; criatividade; aprendizagem; novos profissionais; criativização;

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
';