Conflito e consenso pelo acesso aos recursos naturais no extrativismo da mangaba

Dalva Maria da Mota, Heribert Schmitz, Josué Francisco da Silva Junior

Resumo


Nosso objetivo neste artigo é analisar os processos de disputa pelo acesso aos recursos (terra, plantas e serviços) entre os atores relacionados ao extrativismo da mangaba em Sergipe. A partir de uma experiência de pesquisa e intervenção, diferentes situações foram tomadas como objeto de observação no período 2003-2010. Entrevistas abertas e histórias de vida foram realizadas com atores-chave. As principais conclusões mostram que a mobilização das catadoras, apoiada por agentes externos, influenciou na construção da visibilidade social das mesmas e na intensificação dos conflitos com proprietários de terra e outros. O motivo central dos conflitos é a apropriação dos frutos e o corte das plantas. Neste processo, foi evidenciado o antagonismo entre dois projetos: 1. os que defendem a coexistência do extrativismo com outros modos de acesso aos recursos, valorizando o papel das catadoras na conservação dos recursos in situ; e 2. os que defendem a domesticação das plantas em áreas privadas com crédito e assistência técnica para diferentes tipos de produtores com terra (catadoras e demais), em detrimento do extrativismo.

Palavras-chave


catadoras de mangaba; conservação in situ; alianças; disputas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/antropolitica2011.0i31.a92

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
';